segunda-feira, 31 de outubro de 2016

STAN LEE ou Stanley Martin Lieber - Desenhista

Stanley Martin Lieber (Nova Iorque28 de dezembro de 1922), mais conhecido como Stan Lee, é um escritor, editor, publicitárioprodutorempresário norte-americano e ator que, em parceria com outros importantes nomes dos quadrinhos — especialmente os desenhistas Jack KirbySteve Ditko e John Romita — criou, a partir do início dos anos 1960super-heróis complexos e problemáticos, dando ao gênero um tom mais "humano", "verídico", na contramão da principal editora de HQs de super-heróis da época, DC Comics, detentora dos direitos de personagens famosos como Superman, e Mulher-Maravilha, que seguiam no tom de super-heróis "invencíveis", "insuperáveis", revolucionando o gênero. Seu sucesso foi fundamental para transformar a Marvel Comics, de uma pequena editora de HQs, para uma das maiores corporações multimídia de entretenimento do mundo.

Biografia

Stanley Martin Lieber nasceu em Manhattan , Nova IorqueEstados Unidos, no dia 28 de dezembro de 1922, filho do casal Jack e Celia Lieber, ambos judeus imigrantes da Romênia. Seu pai, um alfaiate, e sua mãe, dona-de-casa, tiveram ainda mais um filho, Larry, nascido em 1931 (e que assim como o irmão mais novo também fez carreira no mundo dos quadrinhos). A família de Lee era relativamente pobre, tendo ele morado boa parte da infância e da adolescência em um "quarto-e-sala" na região do Bronx, na periferia de Nova Iorque, em que ele e o irmão dividiam o diminuto e único quarto do apartamento e os pais dormiam em um sofá-camana sala. Durante a adolescência, Lee estudou na DeWitt Clinton High School, também localizado no Bronx.
Desde pequeno, Lee gostava de escrever, e seu sonho durante a adolescência era escrever um dia um grande romance. Inteligente, Lee se formou na escola relativamente cedo, aos 15 anos, tendo trabalhado escrevendo obituários em jornais; entregando sanduíches para escritórios no Rockefeller Center; trabalhando de office boypara um fábrica manufatureira e como "lanterninha" do Teatro Rivoli na Broadway;

Início da carreira

Ainda na adolescência, Lee trabalhou para os publicadores Martin Goodman na Timely Comics, que mais tarde se tornaria a Marvel Comics. Goodman era casado com a prima de Lee. Seu primeiro trabalho publicado foi uma página para preencher texto assinada com o nome Stan Lee, que apareceu na revista do Capitão América em 1941. Stanley usou o nome "Stan Lee" porque sonhava um dia escrever o maior de todos os livros do país e não queria seu verdadeiro nome associado às histórias em quadrinhos. Ele logo passou a escrever histórias de fato, tornando-se o editor mais novo no campo de trabalho com 17 anos[8].
Durante a Segunda Guerra Mundial, Lee alistou-se no Exército dos Estados Unidos e serviu na parte de comunicação, escrevendo manuais, slogans, filmes de treinamento e ocasionalmente desenhando. Após a Segunda Guerra Mundial, Lee voltou para a sua posição naquela que se tornaria a Marvel Comics. Logo depois criou o bordão da Marvel, "com grandes poderes, vem grandes responsabilidades - Homem-aranha (1962)", baseado no que ele presenciou durante a guerra, que um país poderoso como os EUA, deveria ter responsabilidades com seu armamento bélico nuclear.[carece de fontes]
Naquela época, uma campanha de decência liderada pelo psiquiatra Dr. Fredric Wertham e pelo Senador Estes Kefauver culpava as revistas de histórias em quadrinhos por corromper os jovens leitores com imagens violentas e sexuais. As empresas de HQ responderam com a organização de um sistema de controle interno, e eventualmente adotaram o restringente Comics Code Authority.
Permanecendo na Timely/Marvel pela década de 1950, Lee escreveu histórias de vários gêneros, como romancefaroeste, e ficção científica soft. No fim da década, ele ficou insatisfeito com sua carreira e pensou em sair da área.

Revolução da Marvel


Stan Lee em 1975
No fim da década de 1950, a DC Comics deu uma reanimada no gênero dos super-heróis e teve sucesso significativo com o super time da Liga da Justiça da América. Em resposta, Martin Goodman, o publisher (chefe editorial) da Marvel, deu a Lee a tarefa de criar um time de super-heróis novo. Lee estava chegando aos 40 anos e se considerava velho para aquele tipo de trabalho, somente escrever HQs de super-heróis estereotipados. Foi então, no início dos anos 60, que sua mulher, Joan, sugeriu que ele deveria realmente criar seus próprios personagens, a seu modo. Não teria nada a perder, pois estava mesmo pensando em abandonar a carreira. Ele seguiu o conselho da esposa e, de repente, sua carreira mudou completamente.
Com a ajuda de Jack Kirby, Lee deu a seus novos super-heróis sentimentos mais humanos, uma mudança de seus outros heróis que eram tipicamente escritos para pré-adolescentes. Seus heróis tinham um temperamento ruim, ficavam melancólicos, cometiam erros humanos normais. Preocupavam-se em pagar suas contas e impressionar suas namoradas, e às vezes ficavam até doentes fisicamente. Os super-heróis de Lee capturaram a imaginação dos adolescentes e jovens adultos, e as vendas aumentaram drasticamente.[10]
O primeiro trabalho conjunto entre Lee e Jack Kirby foi o grupo de super-heróis conhecido como O Quarteto Fantástico. Sua popularidade imediata fez com que Lee e os ilustradores da Marvel produzissem vários novos títulos. Lee criou o Incrível Hulk, o Homem de FerroThor e os X-Men com Kirby; Demolidor (Daredevil) com Bill EverettDoutor Estranho e o personagem de maior sucesso da Marvel: o Homem-Aranha, criado com Steve Ditko.
Pela década de 1960, Lee escreveu, coordenou a arte e editou a maior parte das séries da Marvel, moderou as páginas de cartas e escreveu uma coluna mensal chamada "Stan's Soapbox"[11], escreveu muito material promocional, sempre assinando com a frase que é sua marca registrada: "Excelsior!".

Carreira Posterior

Nos últimos anos, Lee tornou-se um ícone e a cara pública da Marvel Comics. Ele faz aparições em convenções de histórias em quadrinhos pelos EUA, palestrando e participando em discussões. Ele também mudou-se para a Califórnia em 1981 para desenvolver as propriedades de televisão e filme da Marvel.
Lee também apareceu em Os Simpsons e fez a voz de um personagem na série animada produzida pela MTV do Homem-Aranha. Durante a revolução ponto com da Internet, ele criou o StanLee.net, que pertencia a uma companhia separada e administrada por outros que tinha como conceito misturar animação online com tiras de quadrinhos tradicionais, mas infelizmente a companhia ficou conhecida pela sua administração mal-feita e irresponsabilidade financeira.
Na década de 2000, Stan Lee fez seu primeiro trabalho para a DC Comics, lançando a série Just Imagine… ("Apenas Imagine…"), na qual Lee reimaginava vários super-heróis incluindo SupermanBatmanMulher MaravilhaLanterna Verde e Flash.[12] Lee também criou a série animada para adultos Stripperella para a Spike TV e em 2004 anunciou planos para colaborar junto com Hugh Hefner em uma série animada das coelhinhas da Playboy.
Em agosto de 2004, Lee anunciou o lançamento da "Stan Lee's Sunday Comics", para serem hospedadas pelo Komikwerks.com, onde assinantes mensais poderão ler uma nova e atualizada história todo domingo. A Stan's Soapbox voltará como uma coluna semanal junto da tira de domingo.
Em 2006 Stan criou e participou do reality show Who Wants to Be a Superhero?. Em Abril de 2008, na New York Comic Con, a Viz Media anunciou que Lee e Hiroyuki Takei estava colaborando no mangá Karakuri Dôji Ultimo, da empresa-mãe Shueisha. Em 2009 roteirizou o mangá Heroman, ilustrado por Tamon Ohta, em 2011 roteirizou o musical The Yin and Yang Battle of Tao.
Stan Lee
Stanley Martin Lieber
Stantheman.jpg

Nascimento28 de dezembro de 1922 (93 anos)
Nova IorqueEstados Unidos
NacionalidadeEstados Unidos norte-americano
Área(s) de atuaçãoEscritor, editor, produtor, ator, apresentador
Trabalhos de destaqueHomem-Aranha
Quarteto Fantástico
X-Men
Hulk
Homem de Ferro
Thor
Demolidor
Doutor Estranho
Os Vingadores
Pantera Negra
Viúva Negra
Gavião Arqueiro
Nick Fury
Mercúrio
Feiticeira Escarlate
Homem-Formiga
PrêmiosComics Hall of Fame

Nenhum comentário:

Postar um comentário